39 Flares Twitter 6 Facebook 21 Google+ 2 Pin It Share 0 LinkedIn 10 39 Flares ×

 

Para Chiavenato(2008), gerir talento humano está se tornando indispensável para o sucesso da organização, mas necessariamente ter pessoas não significa ter talentos, a diferença entre talento e pessoa é que um talento constituísse de uma pessoa que possui um diferencial competitivo que a valorize diante das outras pessoas.

Hoje em dia o talento envolve-se em quatro aspectos essenciais para competência individual, sendo o conhecimento que significa o saber e é o resultado de aprender continuamente, habilidade é o saber fazer, ou seja, aplicar o conhecimento em prática, julgamento é saber analisar os fatos e definir um ponto de equilíbrio entre as prioridades, atitude é o saber fazer acontecer assumindo riscos e agir diante das situações de mudança buscando excelência no resultado. (CHIAVENATO 2008).

 

Talento era o nome dado a uma moeda valiosa na antiguidade. Hoje é preciso saber atrair, aplicar, desenvolver recompensar, reter e monitorar esse ativo precioso para as organizações. (CHIAVENATO 2008, p. 52)

 

O capital humano é proveniente do talento humano significando para a organização um patrimônio inestimável, não basta ter talentos é necessário que as pessoas se enquadrem dentro de um contexto favorável e incentivador fornecido pela organização para que o indivíduo talentoso possa desenvolver suas potencialidades, quando isso não ocorre normalmente esse individuo talentoso se distancia da equipe, por isso o ambiente deve ser adequado para que os talentos cresçam e novos floresçam. (CHIAVENATO, 2008).

O capital intelectual da empresa está cada vez mais fácil de perder esses talentos, essa evasão normalmente é gerada por concorrentes com maior capacidade tecnológica que oferecem altas propostas, mas apenas melhorias salariais ou oferecimentos de benefícios não são fatores que garantem a retenção dos talentos da organização, tem a necessidade de desenvolver mecanismos necessários que faça com que o individuo deseje permanecer e se desenvolver dentro da organização. (GIL, 2008)

O desafio da empresa é gerir seu capital intelectual de forma estratégica para aperfeiçoar o desempenho organizacional e utilizá-lo como processo decisório para o desenvolvimento de novas soluções para o mercado através do compartilhamento do conhecimento de seus indivíduos e com programas e ações adotados pela empresa para alinhar o capital intelectual com os objetivos e visão da organização. (MUNDIM, RICARDO, 2004)

 

No processo de gestão estratégica do capital intelectual é fundamental que, antes de tudo, a organização defina quais são suas competências essenciais, desenvolva sistemas de avaliação do capital intelectual existente na empresa e as torne parte do processo de mensuração do desempenho organizacional geral. (MUNDIM, RICARDO 2004, p.7)

 

Capital intelectual é um conceito totalmente invisível e intangível sendo que desta forma encontra-se varias dificuldades em gerenciá-lo de forma adequada, na figura 3 veremos a evolução e o encaixe desses elementos que juntos aumentarão o resultado da organização. (CHIAVENATO, 2008).

Pessoas Talentos Competências Capital Humano Capital Intelectual Resultados  
 

Fonte: Chiavenato, 2008, p.56

A Cadeia de valor a partir de pessoas

Taleto Humano 2

 

As pessoas são seres humanos dotados de personalidade que podemos compreender como características de expressão, atitudes, comportamentos e escolhas realizadas por uma pessoa, na qual cada uma tem sua própria personalidade o que diferencia das demais, pois, a personalidade é algo único para cada pessoa, apresenta características cognitivas, afetivas, volitivas e físicas e a forma que as mesmas se manifestam, o que tornam semelhantes e diferentes ao mesmo tempo. A semelhança é que todo ser humano tem a capacidade de pensar e expressar esses pensamentos fazendo com que o mesmo represente a raça humana, as diferenças significam que mesmo os indivíduos com as mesmas constituições biológicas e cultura comum, mesmo assim esses indivíduos se comportam de maneira diferente diante da mesma situação. (FRANÇA, 2006)